Debaixo de Algum Céu PDF/EPUB · Debaixo de MOBI


    Debaixo de Algum Céu PDF/EPUB · Debaixo de MOBI um gato, um homem que se esconde a inventar futuros, o beb que testa os pais desavindos, o reformado que constr i loucuras na cave, uma fam lia quase quase normal, um padre com uma doen a de f , o apartamento vazio cheio dos que o deixaram O elevador sobe cansado, a menina chora e os canos estrebucham esse o som dos dias, porque n o h maneira de o medo se fazer ouvir A semana em que decorre esta hist ria bruscamente interrompida por uma tempestade que deixa o pr dio sem luz e suspende as vidas das personagens como uma bolha no tempo que permite pensar, rever o passado, perdoar, reagir, ser tamb m mais vizinho Entre o fim de um ano e o come o de outro, tudo pode realmente acontecer e, pelo meio, nasce Cristo e salva se um homem Embora numa cidade de prov ncia, e beira mar, este pr dio fica mesmo ao virar da esquina, talvez o habitemos e n o o saibamos Com imagens de extraordin rio fulgor a que o autor nos habituou com o seu primeiro romance, Debaixo de Algum C u retrata de forma l mpida e comovente o purgat rio que a vida dos homens e a busca que cada um empreende pela reden o."/>
  • Paperback
  • 200 pages
  • Debaixo de Algum Céu
  • Nuno Camarneiro
  • Portuguese
  • 27 October 2019

10 thoughts on “Debaixo de Algum Céu

  1. Ana Ana says:

    Passou uma semana desde que terminei esta obra e aconteceu aquilo que eu temia j n o mora em mim nada ou quase nada da sua leitura.Debaixo de algum c u, galardoado com o pr mio Leya de 2012, tem uma premissa que me cativou e me fez querer entrar nela o mais r pido poss vel l estou eu a contrariar me manias de leituras cronol gicas e querer ler uma obra o mais depressa que pudesse enfim A correspondente sinopse informa o leitor de que a a o se desenrolar durante uma semana, que nesse Passou uma semana desde que terminei esta obra e aconteceu aquilo que eu temia j n o mora em mim nada ou quase nada da sua leitura.Debaixo de algum c u, galardoado com o pr mio Leya de 2012, tem uma premissa que me cativou e me fez querer entrar nela o mais r pido poss vel l estou eu a contrariar me manias de leituras cronol gicas e querer ler uma obra o mais depressa que pudesse enfim A correspondente sinopse informa o leitor de que a a o se desenrolar durante uma semana, que nesse per odo de tempo iremos entrar num pr dio encostado praia e nos apartamentos que o comp em e que uma tempestade, que deixa o pr dio sem luz, ir quebrar a rotina dos seus habitantes e suspender as suas vidas Ora, se juntarmos a estes ingredientes suculentos pr mio Leya e sinopse empolgante um terceiro t o ou mais entusiasmante saber que do outro lado do computador estarias tu, Paula, a ler a obra ao mesmo tempo que eu perfeitamente compreens vel que as minhas expectativas estivessem l bem no alto, mesmo que uma vozinha mal fica consequ ncia de algumas opini es que j havia lido algures e que n o eram muito favor veis me sussurrasse que haveria que refrear essa excita o A primeira coisa que salta vista na obra o seu pre mbulo que me conquistou plenamente n o s a mim como tamb m a quem me ofereceu a obra, j que muitas das suas frases est o sublinhadas A escrita do autor deliciosamente po tica e introspetiva e obrigou me a elevar ainda mais as j referidas expectativas Como tal, normal que n o me tenha refreado quando passei para os cap tulos divididos nos oito dias em que se desenrola a a o e que estivesse com todos os meus sentidos em alerta, absorvendo tudo sobre as personagens, sobre o narrador e acenando de satisfa o quando estava perante mais exemplos da qualidade da escrita do autor.O livro n o longo, tem apenas 200 p ginas e tanto eu como a Paula o lemos em pouco tempo Mesmo assim, conseguimos trocar bastantes impress es e todas elas apontavam para conclus es semelhantes e que agora partilho convosco n o foi uma leitura que nos tenha preenchido e que tenha correspondido s expectativas pelo menos s minhas Continuo a afirmar que o estilo e a escrita do autor s o muito bons, com tra os de poesia e densidade que me agradam sobremaneira Por m, acho e creio que a Paula tamb m que Nuno Camarneiro divagou e filosofou em demasia e que p s a narrativa ao servi o desses pensamentos, dessa filosofia, dando, dessa forma, oportunidades reduzidas para as personagens brilharem e ocuparem o espa o que t m que ocupar numa trama, seja ela de que g nero for.A opini o completa aqui


  2. David Pimenta David Pimenta says:

    H qualquer coisa no livro do Nuno Camarneiro que me encantou profundamente Acabei de o ler em Paris, com uma vista para o Torre Eiffel e fiz uma v nia interior humanidade dentro desta obra Em Debaixo de algum c u assistimos vida de algumas personagens que vivem num pr dio pertence uma praia, num lugar n o especificado pelo autor e que n o interessa ao leitor dada a conhecer as mulheres do pr dio, cada uma da sua idade a que acabou de casar e tem uma filha, ainda beb a idosa, envol H qualquer coisa no livro do Nuno Camarneiro que me encantou profundamente Acabei de o ler em Paris, com uma vista para o Torre Eiffel e fiz uma v nia interior humanidade dentro desta obra Em Debaixo de algum c u assistimos vida de algumas personagens que vivem num pr dio pertence uma praia, num lugar n o especificado pelo autor e que n o interessa ao leitor dada a conhecer as mulheres do pr dio, cada uma da sua idade a que acabou de casar e tem uma filha, ainda beb a idosa, envolvida numa solid o extrema a dona de casa, com uma vida pacata e com dois filhos e a jovem, de 15 anos e com tanto para viver Ao lado das mulheres encontram se sempre os homens ao lado delas, cada um com as suas vit rias e os seus medos.A hist ria extremamente realista Acompanham se unicamente alguns dias da vida de todas as personagens chega se a apanhar o Natal e o Ano Novo mas como se visualiz ssemos a vida inteira H um envolvimento incaracter stico com todas as personagens, e n o qualquer escritor que o consegue fazer N o sei se o livro do Nuno Camarneiro seria o melhor de entre todos os que concorreram ao pr mio Leya do ano passado mas que um bom exemplo de fic o portuguesa l isso Um outro destaque a uma personagem do livro ao padre Daniel Que humano e que divino Quando escrever num computador melhoro, com o iPad n o d jeito


  3. Rosa Ramôa Rosa Ramôa says:

    N o o sentido da vida que me preocupa, mas o meu sentido na vida Nuno Camarneiro, Debaixo de Algum C u Um pr dio Mesmo ao virar da esquinaO pr dio onde todos vivemos Sobre a luta e a labuta da vidaDebaixo do purgat rio e do inferno E o que que nos faz falta Encantada com a leitura e com a perguntaEste livro humano.De todos n s As personagens s o pessoas reaisComo n s Desencontros e gente procura de paz e calor Amor Sobre portas,janelas e gavetas da alma.Loucuras.Doe N o o sentido da vida que me preocupa, mas o meu sentido na vida Nuno Camarneiro, Debaixo de Algum C u Um pr dio Mesmo ao virar da esquinaO pr dio onde todos vivemos Sobre a luta e a labuta da vidaDebaixo do purgat rio e do inferno E o que que nos faz falta Encantada com a leitura e com a perguntaEste livro humano.De todos n s As personagens s o pessoas reaisComo n s Desencontros e gente procura de paz e calor Amor Sobre portas,janelas e gavetas da alma.Loucuras.Doen as.F.Medo.Tempestade.Vidas Vit rias e medos.Pensar e reagir.Rever o passadoPerdoar Ser sempre mais Humanos e divinos Alto n vel de encantamentoPormenores.L grimas.Dores.Retratos.Desespero e Reden o Urgente e vivificante


  4. Ema Ema says:

    Fiquei divida praticamente o livro todo entre passagens bastantes interessantes e bonitas e passagens cheias de teorias e filosofias, numa escrita po tica que n o me disse nada Passei a gostar mais da leitura a partir do ltimo ter o do livro, talvez por j conhecer melhor as personagens e o estilo narrativo Por m, o facto de ter levado muito tempo a entrar na hist ria, fez com que, no final, j n o me lembrasse das reflex es feitas no in cio e senti que perdi uma boa parte do que o autor quer Fiquei divida praticamente o livro todo entre passagens bastantes interessantes e bonitas e passagens cheias de teorias e filosofias, numa escrita po tica que n o me disse nada Passei a gostar mais da leitura a partir do ltimo ter o do livro, talvez por j conhecer melhor as personagens e o estilo narrativo Por m, o facto de ter levado muito tempo a entrar na hist ria, fez com que, no final, j n o me lembrasse das reflex es feitas no in cio e senti que perdi uma boa parte do que o autor queria transmitir Em rela o premissa, gostei bastante porque h algo de fascinante nos pr dios, abarcam muitas fam lias, todas diferentes, com indiv duos muito distintos, de variadas idades e com hist rias diferentes O facto de haver sempre algo a acontecer no apartamento do lado, enquanto estamos ou sossegados na nossa rotina ou stressados com algum problema, significa que a vida est sempre a decorrer e que somos apenas uma pe a no imenso lego que o mundo Fez me lembrar o Claraboia do Saramago e uma s rie de televis o portuguesa Aqui N o H Quem Viva embora esta seja de com dia Ao longo do livro vamos ent o acompanhando essas vidas e no final, todas elas mudaram de alguma forma, umas transformaram se, outras aprenderam a conviver com as d vidas existenciais, outras cresceram, mas em todas algo se acrescentou, e tamb m se perdeu, porque nem sempre tudo rosas view spoiler O ltimo dia narrado o dia de ano novo e tamb m gostei desse paralelismo clich talvez entre um ano novo que come a e as mudan as que fazem com que cada um dos vizinhos tamb m comece uma vida nova hide spoiler O amor n o f cil em nenhuma idade e d i tanto ceder lhe como fugir lhe


  5. mar mar says:

    LerOsNossos O amor n o f cil em nenhuma idade e d i tanto ceder lhe como fugir lhe.


  6. Rita Moura de Oliveira Rita Moura de Oliveira says:

    N o gostei primeira, e a meio tamb m ainda n o estava rendida Mas de repente fez se um clique e este Debaixo de algum c u, vencedor do Pr mio Leya 2012, prendeu me at ao fim Nesse momento, voltei atr s, reli diversas passagens e tudo passou a fazer sentido partida, a f rmula n o parece nova, a hist ria dos habitantes de um edif cio de tr s andares beira mar plantado um jovem solit rio criador de personagens para um programa inform tico um velho sonhador que vai construindo uma gering N o gostei primeira, e a meio tamb m ainda n o estava rendida Mas de repente fez se um clique e este Debaixo de algum c u, vencedor do Pr mio Leya 2012, prendeu me at ao fim Nesse momento, voltei atr s, reli diversas passagens e tudo passou a fazer sentido partida, a f rmula n o parece nova, a hist ria dos habitantes de um edif cio de tr s andares beira mar plantado um jovem solit rio criador de personagens para um programa inform tico um velho sonhador que vai construindo uma geringon a com objetos que recolhe do lixo dos outros um jovem casal com uma beb choramingona uma vi va que vive com um gato um casal que vive com os filhos adolescentes e pr adolescentes um padre cheio de d vidas sobre si pr prio e sobre Deus e um apartamento vazio que mais frente no livro perceberemos porqu A a o contada por um narrador externo e de vez em quando a voz passa para alguns dos habitantes Decorre em 8 dias, de 24 de dezembro a 1 de janeiro, e a mudan a de ano acaba por trazer tamb m grandes mudan as aos moradores do pr dio e s rela es entre eles Neste livro h solid o, h trai o, h desespero mas tamb m h reden o, paix o e aproxima o Se puderem leiam no e se, como eu, n o se agarrarem primeira, insistam porque acaba por valer a pena


  7. Marco Marco says:

    O problema desenhar a vida em forma de montanha, dar um cume vida e querer atingi lo como se o seu sentido dependesse desse ato O sentido da vida, a existir, h de ser como o sentido de uma montanha, e n o muda por lhe chegarmos ao topo ou nos perdermos pelas encostas Um pr dio qualquer situado frente de um mar qualquer 8 dias, os ltimos do ano e o primeiro do novo E os seus 7 inquilinos, que s o vizinhos, mas que poderiam muito bem passar por desconhecidos e que se cruzam todos os O problema desenhar a vida em forma de montanha, dar um cume vida e querer atingi lo como se o seu sentido dependesse desse ato O sentido da vida, a existir, h de ser como o sentido de uma montanha, e n o muda por lhe chegarmos ao topo ou nos perdermos pelas encostas Um pr dio qualquer situado frente de um mar qualquer 8 dias, os ltimos do ano e o primeiro do novo E os seus 7 inquilinos, que s o vizinhos, mas que poderiam muito bem passar por desconhecidos e que se cruzam todos os dias, contudo tanta m goa se mant m velada nestas 7 vidas Durante a leitura, v o sentir que tamb m voc s fazem parte do pr dio tudo o que h para saber acerca deste livro antes de ser lido Foi o primeiro que li de Nuno Camarneiro, mas certamente n o ser o ltimo


  8. Inês Montenegro Inês Montenegro says:

    N o h um enredo nico que seja espinha dorsal desta hist ria Como indicado na sinopse, a premissa a de se debru ar um pouco sobre cada um dos moradores do pr dio, salteando constantemente entre uns e outros O facto de se tratarem de trops de personagens bastante utilizadas e, dentro da bolha do romance, diferirem bem entre si leva a que esta constante mudan a de foco narrativo n o se torne confusa, sendo f cil ao leitor acompanhar as mudan as e novas situa es Poderemos resumir o enredo c N o h um enredo nico que seja espinha dorsal desta hist ria Como indicado na sinopse, a premissa a de se debru ar um pouco sobre cada um dos moradores do pr dio, salteando constantemente entre uns e outros O facto de se tratarem de trops de personagens bastante utilizadas e, dentro da bolha do romance, diferirem bem entre si leva a que esta constante mudan a de foco narrativo n o se torne confusa, sendo f cil ao leitor acompanhar as mudan as e novas situa es Poderemos resumir o enredo como sendo o acompanhamento do mundano de um grupo de vizinhos, durante o per odo compreendido entre o Natal e o Ano Novo, com foco no seu psicol gico Opini o completa em


  9. Rita Rita says:

    Este livro fez me lembrar d Os 9 c rculos do inferno, da Divina Com dia de Dante Alighieri.Eu, Tu, Ele, N s, V s, Eles s o estas as palavras que me ocorrem quando preciso definir este livro.8 dias, 7 inquilinos Parece pouco mas foi mais do que suficiente nos apresentar uma vis o da nossa sociedade, estilo de vida, relacionamentos ou falta deles, sonhos e pesadelos, receios, esperan as e apreens es, cren as e ambi es, enfim a humanidade est muito bem representada naquele pr dio beira mar p Este livro fez me lembrar d Os 9 c rculos do inferno, da Divina Com dia de Dante Alighieri.Eu, Tu, Ele, N s, V s, Eles s o estas as palavras que me ocorrem quando preciso definir este livro.8 dias, 7 inquilinos Parece pouco mas foi mais do que suficiente nos apresentar uma vis o da nossa sociedade, estilo de vida, relacionamentos ou falta deles, sonhos e pesadelos, receios, esperan as e apreens es, cren as e ambi es, enfim a humanidade est muito bem representada naquele pr dio beira mar plantado.Gostei da forma de escrever a parte mais religiosa cansou me um pouco , uma prosa com jeito de poesia, com momentos profundos e que nos fazem pensar um pouco na nossa pr pria exist ncia


  10. Sónia Sónia says:

    Escrever um Dom, que n o est ao alcance de todos Nuno Camarneiro tem no, seguramente N o f cil escrever, de forma t o bela e cuidada, sobre factos que, infelizmente, v o sendo cada mais regulares na nossa sociedade Falo de coisas como a descren a e a insatisfa o O viver na rotina, qual aut mato transposto para os humanos Uma obra que resulta n o s do tal Dom que atr s referi, mas tamb m duma capacidade de observa o nica A ler, definitivamente Um autor a seguir, sem sombra de d vi Escrever um Dom, que n o est ao alcance de todos Nuno Camarneiro tem no, seguramente N o f cil escrever, de forma t o bela e cuidada, sobre factos que, infelizmente, v o sendo cada mais regulares na nossa sociedade Falo de coisas como a descren a e a insatisfa o O viver na rotina, qual aut mato transposto para os humanos Uma obra que resulta n o s do tal Dom que atr s referi, mas tamb m duma capacidade de observa o nica A ler, definitivamente Um autor a seguir, sem sombra de d vida


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Debaixo de Algum Céu➾ [Download] ➾ Debaixo de Algum Céu By Nuno Camarneiro ➳ – Natus-physiotherapy.co.uk Num pr dio encostado praia, homens, mulheres e crian as vizinhos que se cruzam mas se desconhecem andam procura do que lhes falta um pouco de paz, de m sica, de calor, de um deus que lhes sirva Todas Num pr dio encostado praia, homens, mulheres e crian as vizinhos que se cruzam mas se desconhecem andam procura do Debaixo de MOBI :Ê que lhes falta um pouco de paz, de m sica, de calor, de um deus que lhes sirva Todas as janelas est o viradas para dentro e at o vento parece soprar em quem l vive H uma vi va sozinha com um gato, um homem que se esconde a inventar futuros, o beb que testa os pais desavindos, o reformado que constr i loucuras na cave, uma fam lia quase quase normal, um padre com uma doen a de f , o apartamento vazio cheio dos que o deixaram O elevador sobe cansado, a menina chora e os canos estrebucham esse o som dos dias, porque n o h maneira de o medo se fazer ouvir A semana em que decorre esta hist ria bruscamente interrompida por uma tempestade que deixa o pr dio sem luz e suspende as vidas das personagens como uma bolha no tempo que permite pensar, rever o passado, perdoar, reagir, ser tamb m mais vizinho Entre o fim de um ano e o come o de outro, tudo pode realmente acontecer e, pelo meio, nasce Cristo e salva se um homem Embora numa cidade de prov ncia, e beira mar, este pr dio fica mesmo ao virar da esquina, talvez o habitemos e n o o saibamos Com imagens de extraordin rio fulgor a que o autor nos habituou com o seu primeiro romance, Debaixo de Algum C u retrata de forma l mpida e comovente o purgat rio que a vida dos homens e a busca que cada um empreende pela reden o.


About the Author: Nuno Camarneiro

Nuno Camarneiro nasceu em Natural da Figueira da Foz, licenciou se em Engenharia F sica pela Universidade de Coimbra, Debaixo de MOBI :Ê onde se dedicou investiga o durante alguns anos Foi membro do GEFAC Grupo de Etnografia e Folclore da Academia de Coimbra e do grupo musical Diabo a Sete, tendo ainda integrado a companhia teatral Bonifrates Trabalhou no CERN Organiza o Europeia para a Investiga o Nuclear em Genebra e concluiu o doutoramento em Ci ncia Aplicada ao Patrim nio Cultural em Floren a Em regressou a Portugal, sendo actualmente investigador na Universidade de Aveiro e professor do curso de Restauro na Universidade Portucalense do Porto Come ou por se dedicar micronarrativa, tendo alguns dos seus contos sido publicados em colect neas e revistas No Meu Peito n o Cabem P ssaros a sua estreia no romance.